Carboidratos na AN

24-03-2021
Photo by Peter Schad on Unsplash
Photo by Peter Schad on Unsplash

Quando pesquisamos sobre alimentação caseira para pet ou mesmo quando lemos um rótulo de comidas industrializadas, vemos a presença de carboidratos em sua composição. Mas o que são os carboidratos e qual é o seu papel na dieta canina? 

Bom, o carboidrato é um macro nutriente que contém uma estrutura feita de três elementos: carbono, hidrogênio e oxigênio e está presente nos alimentos em duas formas: simples (açúcares) e complexo (amido e fibra). Tem como principal função o fornecimento de energia para o corpo, mas sua adição permite que dieta contenha de menos gordura e consequentemente menos calorias.

Quantidade Necessária

Ele é um dos nutrientes que contém mais concentração em uma formulação de dieta, mas ele é considerado um nutriente essencial para o organismo canino? A resposta é não, segundo a Organização de Europeia de Comida Pet ele não é considerado essencial para os cães, por isso não possui níveis mínimos e máximos de quantidade necessária na dieta. Sua inclusão é apenas para promover energia através do amido e saúde intestinal através das fibras, além de conter um pouco de vitaminas e minerais.

Algumas rações possuem altos índices de carboidrato, pois é um nutriente que possui uma fonte de energia alta e de proteína mais barata, usando principalmente o amido de milho. Porém isso é prejudicial à saúde, principalmente a longo tempo, pois irá gera um pico de glicemia, que é o aumento de açúcar no sangue no organismo muito rápido, onde pode acabar favorecendo o surgimento de doenças como a Diabetes e a Obesidade. O amido também é considerado um dos ingredientes mais comuns que geram alergia aos cães.

Na alimentação natural cozida usaremos uma porcentagem de 25-35% de carboidratos. Já na linha crua ou BARF (Biologically Appropriate Raw Food ou Comida Crua Biologicamente Apropriada) não será adicionado carboidratos em sua composição, pois essa linha de alimentação defende uma dieta mais próxima de seus ancestrais (o lobo) onde a fonte de energia e nutrientes será fornecida através das Proteínas, Gorduras e Vegetais.

A quantidade de carboidrato irá depender também da presença de algumas doenças como obesidade, diabetes, câncer e doenças inflamatórias do trato gastrointestinal, onde nesse caso usaremos dietas com um baixo teor de carboidrato (low-carb), pois são doenças que requerem uma menor ingestão de carboidrato, principalmente os simples,  para auxiliar no tratamento das mesmas, com exceção da obesidade que a dieta low carb é essencial para a perda de peso. 

Presença de fibras na Alimentação
As fibras estão diretamente relacionadas a saúde intestinal e são classificadas em dois tipos: Solúveis e Insolúveis.

Solúveis são aquelas facilmente dissolvidas na água e sendo capazes de serem fermentadas durante sua digestão, possuindo uma ação pré-biótica mantendo o trato  digestivo saudável, pois favorece a microbiota intestinal. São encontradas em cereais, frutas e vegetais.

Insolúveis: são aquelas que não se dissolvem na água, porém possui o benefício de melhorar o transito intestinal, estimulando os movimentos peristálticos auxiliando em casos de constipação, por exemplo. São encontradas em alguns grãos como trigo e feijão.

Fontes de Carboidrato
Na alimentação natural estaremos utilizando fontes de carboidratos de fácil digestão para o organismo do cão, otimizando sua absorção de nutrientes. Alguns ingredientes que podemos usar na preparação das nossas receitas naturais caseiras para o nosso amigo de quatro patas são: 
- Tubérculos: Batata doce; Mandioquinha; Inhame
- Grão: Arroz integral ou Parabolizado; Aveia em Flocos.

Alguns ingredientes como a batata inglesa e a mandioca devem ser evitadas, pois geram uma maior carga glicêmica.

Siga as recomendações de seu veterinário e ao fornecer carboidratos na alimentação, observe como seu cão reage a quantidade oferecida como, por exemplo, tipo e consistência das fezes (se não esta muito mole ou muito dura), a saúde do pelo e da pele (se apresenta alguma perda de brilho ou alergias) e energia que ele tem durante o dia. Esses são alguns sinais que mostram se a quantidade fornecida é suficiente, em excesso ou em falta. Escolha fontes de qualidade, pois isso impactará na digestão e absorção do mesmo e na saúde do seu pet ao longo dos anos. 


Referencias:
Pet Food Industry 
Healthy Pets by Dr. Becker 
Whole Dog Journal 
PFMA
FEDIAF 
Clinical Nutrition Service
Applied Veterinary Clinical Nutrition by A.Fareth et al.