5 Alimentos Proibidos para Cães

17-02-2021
Imagem de S K por Pixabay
Imagem de S K por Pixabay

Quanto mais tempo passamos com nossos amigos peludos, mais queremos entender sobre eles e estamos sempre procurando mais informações sobre o que faz bem e o que faz mal, principalmente em sua dieta. Quando pensamos nos alimentos que podemos fornecer para eles sem que cause nenhum problema para sua saúde vem uma lista enorme na cabeça, mas existem alguns alimentos específico que além de fazer mal, em curto ou longo prazo, pode também acabar sendo tóxico.

Existem muitos alimentos que fazem mal para a saúde e para o organismo dos cães, por isso decidi selecionar os cinco alimentos mais conhecidos como proibidos explicando o que acaba causando no organismo do seu pet, quais podem levar a toxicidade e por que. 

Imagem de Alexander Stein por Pixabay
Imagem de Alexander Stein por Pixabay

1. Chocolate

Quem não ama um chocolate não é mesmo? Porém por mais que ele seja irresistível ele é um dos alimentos mais tóxicos para cães. O chocolate contém uma sustância derivada da cafeína chamada Teobromina que possui um efeito vasodilatador, diurético e estimulador do sistema cardíaco e do sistema nervoso central

Mas por que essa substância é considerada tóxica para os cães, mas em compensação para nós humanos não? O problema se encontra na metabolização dessa substância, ou seja, na quebra e excreção da mesma do organismo. Os cães não possuem mecanismos para fazer essa metabolização, sendo absorvida rapidamente pelo sistema digestivo, causando seu acúmulo e gerando concentrações consideradas tóxicas para o organismo de uma forma muito rápida.

O acúmulo dessa substância no organismo causará sintomas como: taquicardia, excitação, vômito, diarreia, aumento de ingestão de água e consequentemente de excreção de urina, hiperatividade, tremores, podendo chegar a casos graves como convulsões ou morte.

Mas calma esse alimento é considerado um alimento que contem uma toxicidade "dose-dependente", isto é, o seu grau de toxicidade irá depender da quantidade de chocolate ingerida pelo cão. Sendo assim os sintomas e gravidade está diretamente relacionada à quantidade ingerida e também do tipo de chocolate.

Alguns tipos de chocolate são considerados menos ou mais tóxicos que outros, por exemplo, o chocolate branco é considerado o menos tóxico, pois não contem cacau em sua formulação mas isso não quer dizer que não contem vestígios em sua composição, mas contém muita gordura o que também pode levar a distúrbios metabólicos e surgimentos de sintomas como vômito e diarreia. O chocolate considerado mais tóxico é o chocolate de confeiteiro, pois, contém em sua formulação altos índices de Teobromina onde apenas 35g desse chocolate atinge a dose tóxica e fatal para um cão de 6Kg.

Meu cão comeu um pedaço de chocolate e agora? Primeiro tente saber a quantidade, por ser dose dependente a gravidade irá depender da quantidade ingerida. Consulte sempre seu veterinário e "deixe" seu cão em observação, isso é, fique observando seu comportamento e possível surgimento de alguns sintomas como citados acima, alguns sintomas levam de 6-12 horas para aparecer.

Doses Tóxicas:

Chocolate ao Leite: 350g para um cão de 6kg (100g de chocolate contém 154mg de Teobromina).Chocolate meio amargo: 110g para um cão de 6Kg (100g de chocolate contém 528mg de Teobromina)Chocolate de Confeiteiro: 35g para um cão de 6Kg (100g contém 1.365mg de Teobromina).


Imagem de Couleur por Pixabay
Imagem de Couleur por Pixabay

2. Cebola

A cebola é o ingrediente mais usado na culinária humana principalmente como tempero no preparo de comida, por isso quando pensamos em preparar e temperar comida feita em casa para os nossos cães um dos primeiros ingredientes que vem em mente é a cebola. Mas tome muito cuidado, pois, mesmo sendo um alimento normal e inofensivo para nós, para os nossos amigos de quatro patas ela é altamente tóxica.

Ela contém uma substancia chamada Dissulfeto de N- Propil que é toxica para o organismo canino causando danos oxidativos nas células vermelhas onde essa substância ira se anexar ao oxigênio que está dentro das células vermelhas fazendo com que ela tenha uma redução em sua habilidade de carregar oxigênio e faz com que o organismo do cão pense que essa célula é um corpo estranho fazendo que o sistema imune destrua essa célula causando a chamada anemia hemolítica.

Qualquer parte e tipo de cebola são toxica para cães, onde apenas 100 gramas de cebola para um cão de 20kg causa efeitos extremamente tóxicos. Alguns dos sintomas que podem observados são: letargia, fraqueza, diminuição de apetite, mucosas pálidas e urina avermelhada.  

Imagem de sunnysun0804 por Pixabay
Imagem de sunnysun0804 por Pixabay

3. Nozes de Macadâmia 

As nozes de macadâmia é outro alimento que é considerado proibido para cães. O mecanismo da sua toxicidade ainda é desconhecido, porém sabemos que cães que comeram esse tipo de alimento apresentaram reações de média a grave.

A quantidade considerada tóxica é de aproximadamente 2,4g por kg de peso do cão. Os sintomas levam até 12 horas após a ingestão para surgir e entre eles observamos: fraqueza, tremores que podem estar relacionada à fraqueza, vômito e aumento de temperatura. Além disso, por essa noz ser muito gordurosa, alguns cães podem acabar também apresentando uma inflamação do pâncreas (pancreatite) e aumento dos triglicérides.

Os sintomas tendem a diminuir entre 12-48 horas e podem ser controlados de casa com as orientações de seu veterinário de confiança.

Imagem de Josep Monter Martinez por Pixabay
Imagem de Josep Monter Martinez por Pixabay

4. Uvas e Uvas Passas 

Em geral as frutas são alimentos indicados na alimentação dos cães principalmente como forma de petisco saudável. Porém nem todas elas fazem bem ao seu organismo e a Uva e a Uva-passa estão em primeiro lugar nessa lista. Também neste caso não há uma explicação cientifica sobre o mecanismo de toxicidade no organismo dos cães, mas a principal lesão documentada devido a ingestão de uvas e derivados é a lesão no epitélio dos tubos proximais renais, ou seja, em um dos tecidos que reveste o túbulo renal. Essa lesão irá causar diminuição ou parada de produção de urina, podendo levar a falência renal. A quantidade exata para a toxicidade ainda não foi determinada, existe informações que uma quantidade pequena, de quatro ou cinco uvas, podem causar sérios problemas para um cão de aproximadamente 9Kg.

Alguns sintomas observados nas primeiras 12 horas após a ingestão são: vômito, diarreia, dor abdominal, tremores, perda de apetite, fraqueza e desidratação. Já nas 24-72 horas após a ingestão observamos sintomas mais relacionados a lesões renais como a diminuição ou parada de excreção da urina.

Por isso após a ingestão de uva é importante contatar seu veterinário e observar bem de perto o comportamento de seu cão para eventual surgimento ou evolução dos sintomas. 

Imagem de Andreas Lischka por Pixabay
Imagem de Andreas Lischka por Pixabay

5. Massas (Pães e Pastas) 

Pães e Pastas em geral, não são alimentos muitos indicados para serem fornecidos para os cães devido à presença do trigo que é um ingrediente muito associado à coceira e alergias na pele. Mas o real problema está no fornecimento desses alimentos crus, pois como sabemos a massa tanto do pão quanto das pastas contém fermento em sua composição. O estômago cão é um local quente e úmido, sendo o melhor ambiente para o fermento, facilitando sua proliferação dentro da massa fazendo com que ela se expanda muito mais do que o normal levando a dilatação do mesmo. Essa dilatação acaba comprimindo os vasos sanguíneos da parede do estômago podendo também, em alguns casos, comprimir o pulmão e dificultando a respiração.

Além da dilatação estomacal a fermentação irá produzir o etanol que acaba sendo absorvido pela corrente sanguínea resultando na acidose metabólica e o conhecido "embriagamento".

Alguns sintomas observados são: ânsia de vômito, dilatação abdominal e depressão. Pode também ocorrer o comprometimento da coordenação motora (ataxia) e desorientação devido à presença do etanol. É importante observar os sintomas e contatar seu veterinário, pois em alguns casos será necessário realizar intervenções como, por exemplo, lavagem estomacal e cirurgia para a distensão estomacal, onde será retirada a massa fermentada, e correção ácido-básica no caso da intoxicação pelo etanol.